democracia, Entrelinhas, política

Anular o voto? – Parte 2

Anular o voto? – parte 1 (clique aqui para acessar)

Votar nulo é um voto cônscio de protesto de um eleitor que racionalmente rejeita as opções disponíveis, mesmo sabendo que um dos candidatos assumirá o cargo em disputa. Quanto mais votos o candidato eleito recebe, maior sua força e legitimidade, embora nessa eleição esteja claro que há muitos votos em Aécio que não são para ele, mas são anti-PT e, da mesma forma, diversos dos votos de Dilma não serão para ela, mas claramente são um voto anti-PSDB. Dentro desse contexto, o voto nulo representa que algo não vai bem em nosso sistema político, o que é plenamente coerente com o volume de pessoas que defendem uma reforma eleitoral. O atual modelo privilegia o capital, de tal forma que as mesmas empresas financiam os principais candidatos e estes, após eleitos, para não perder esse poderio econômico em eleições futuras, atuam na defesa dos interesses dessas organizações e não no da população.

Aqueles que estão pensando em votar nulo ou estão simplesmente indecisos, assistem aos programas e debates eleitorais numa tentativa de perceber a diferença entre os candidatos. O esforço resulta inócuo. Um candidato fala “você privatizou as empresas X e Y” e recebe de volta “seu partido privatizou W e Z”. “Nós criamos os programas sociais e vocês apenas os ampliaram” diz um, e o outro afirma “a proposta de vocês era só um projeto piloto, nós o melhoramos e o levamos para milhões de pessoas”. “Nós combatemos a hiperinflação, colocamos o país no rumo e no seu governo a inflação está voltando” alega um, e recebe “a inflação está sob controle, no tempo de vocês ela era galopante”. E ambos acusam-se mutuamente: “você e seu partido estão atolados em corrupção” e “seus aliados são o que há de pior na política nacional”.

A política macroeconômica de ambos é o projeto liberal com defesa de superávit primário, privatizações, renúncias fiscais, reformas da previdência que aumentam o esforço do trabalhador, retirada de vários direitos dos trabalhadores, obediência cega à responsabilidade fiscal e prioridade ao pagamento da dívida que consome 50% do orçamento da união. Dívida essa que continua crescendo (enquanto alardeamos que o FMI está pago) e que nunca foi auditada, apesar de sua evidente ilegalidade. Essa sempre foi a proposta do PSDB e é a política explicitamente defendida pelo PT desde a Carta ao Povo Brasileiro (melhor seria dizer Carta ao Mercado) de 2002. Nenhum dos dois executou ou pelo menos pautou um projeto diferente para o Brasil. Óbvio, portanto, que não há uma polarização entre esquerda e direita. O eleitor precisa apenas escolher qual o melhor gerente para os interesses do capital.

Na ânsia por sair do empate técnico que se firmou, os defensores do PT começaram a pressionar os militantes de esquerda a se posicionar ao lado da estrela. Tentam o convencimento pela ideia de polarização entre esquerda e direita que, como já vimos, não é real. Uma segunda argumentação, quando a primeira falha, visa substituir a falsa polarização pela escolha do mal menor. Entretanto, fazer essa opção significa perder a chance de promover o debate sobre diferentes projetos de Brasil, mesmo que estes projetos, assim como os partidos de esquerda, não estejam no segundo turno. É significativo que tanta gente pense que temos um governo de esquerda e saia por aí dizendo: “Não quero o PT! Nunca mais voto na esquerda”, quando o que temos é um governo liberal. Apoiar o PT é, portanto, aumentar a confusão sobre o real sentido de um partido de esquerda no poder, onde as pessoas e não o mercado sejam a razão de ser do governo.

O papel daqueles que defendem um projeto popular e humano nessa eleição, para que tenhamos de fato uma esquerda forte nesse país, deveria ser o de esclarecer que há dois projetos políticos liberais, embora com modelos distintos de liberalismo e apontar caminhos alternativos. Mostrar que aliar-se e alinhar-se a um projeto liberal (qualquer que seja ele) é negar a ideia de um país mais humano e justo socialmente.

Muitos militantes da esquerda estão votando, fazendo campanha, e falando em voto crítico em outubro e oposição ferrenha a partir de primeiro de janeiro de 2015. Mas qual a representação que tal posição consolida na cabeça daqueles que possuem simpatia pelos ideário de esquerda, mas que ainda não conhecem suas proposições? Auxilia ou atrapalha? Esclarece ou gera mais confusão? As respostas emergem por si só. Por isso há aqueles que votam nulo, que anunciam a semelhança entre os projetos e afirmam com clareza que, como ambas as candidaturas não representam o ideário político de esquerda, estarão nas ruas para lutar independente de quem se sagre vencedor dessa disputa eleitoral. Esses sabem que sendo presidente Dilma ou Aécio, terão que enfrentar o projeto liberal nas ruas. Por isso defendem nem Aécio nem Dilma sem medo do que virá, pois o que virá, seja um ou outro, é mais do mesmo.

Decência e caráter, eis o que esteve em falta nessa eleição! Os marqueteiros abusaram da “desconstrução” dos adversários/inimigos.

Por fim, o nível dessa campanha eleitoral foi a mais suja, vil e de baixo calão de todos os tempos, com ofensas pululando nas propagandas políticas e nas redes sociais (muitas vezes travestidas de informação jornalística) enquanto questões como a dívida pública e vários assuntos que a tangenciam como relações internacionais, riquezas, orçamento federal passam ao largo. Somente isso já seria mais do que justificativa para não votar em nenhum dos dois. Que essas eleições acabem logo e que o embate que realmente educa, aquele da luta de classes, volte a acontecer e que se espraie e tome as ruas. Até lá, temos todos o direito de escolher um, o outro ou nenhum dos dois. O que não temos é o direito de metralhar ódios e ofensas como se não houvesse amanhã, esquecendo a poesia e o amor.

Armandinho arrebenta!

Publicado originalmente no jornal Tribuna Amapaense, Nº 432, 23 de outubro de 2014.

Outros textos de Arley Costa podem ser lidos em https://arleycosta.wordpress.com/entrelinhas/

Padrão

Um comentário sobre “Anular o voto? – Parte 2

  1. Lembrei de uma coluna publicada ontem no El Pais, intitulada “Quem empurrou Lula a chamar Aécio e PSDB de nazistas?”
    O texto é interessante por dois motivos, 1. mostra a visão estrangeira a respeito de como nós, brasileiros, tratamos os processos eleitorais, mesmo os mais conturbados, como o atual. e 2. faz uma avaliação bastante contraditória sobre o quadro político brasileiro.
    O colunista faz uma dura crítica à postura de Lula, a quem chamou “gênio da política.” Bem, se Lula é mesmo um gênio da política, isso explica a situação maravilhosa que o país passa. Nem é despeito pelo fato de eu ainda estar trabalhando arduamente para tirar um doutorado, enquanto Lula já possui 27 doutorados honoris causa! De fato, Lula perdeu a linha ao chamar opositores de nazistas. O tal gênio, em dia com seu cristianismo, citou Herodes como Aécio e Jesus como… um doce para acertar! Imagino que até para o eleitorado petista isso tenha soado, no mínimo, esquisito.
    Sobre a postura do brasileiro, o ‘El Pais’ escreveu: “… são um povo com vocação de paz, sem demônios de separatismo nem de ódios regionais. São pessoas que desfrutam da convivência, onde pobres e ricos, letrados e analfabetos, nortistas e sulistas, todos trazem viva em seu coração a chama do orgulho de sua identidade brasileira.” Até me emocionei quando li. Pensei: nossa, quero morar nesse país também!
    Naturalmente, o colunista do El Pais desconhece os movimentos separatistas dos Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul. Desconhece também os preconceitos entre residentes das regiões Sul e Sudeste e Norte e Nordeste. Ignora que ricos gostam de ser ricos e vivem muito bem com isso, mas pobres não estão satisfeitos com a ideia de não ter o dinheiro do almoço.
    O jornal ‘El Pais’ disse ainda que Pernambuco é a terra do falecido líder socialista Eduardo Campos, cujo partido se aliou à Aécio no segundo turno. Porque morreu agora é um herói do socialismo? Quase posso ver a foto de Campos em companhia de Leon Trótski. A matéria que visava ser imparcial, suponho, diz ainda “… nem sequer há partidos de direita nem de extrema direita e se alguns deles podem parecer são talvez os que até hoje governaram nestes 12 anos com o PT.”
    É provável que o colunista tenha chegado a esta conclusão lendo a descrição do PT no Wikipédia que o cita como “um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América do Sul.”
    Mas o mais interessante é o reconhecimento de que PT e PSDB são farinha do mesmo saco. Diz o jornal: “Seus programas econômicos e sociais chegam a ser tão parecidos que não são poucos os analistas e até líderes políticos de ambas formações que se perguntam por que não poderiam até governar juntos.”
    Afirmações do tipo: Eduardo Campos era socialista; PSDB representa o mesmo modelo de social democracia instalado na Europa; Lula é um gênio da política; Não existe partido de direita no Brasil ou o PT ainda é um partido de esquerda fazem-me pensar que a imprensa estrangeira vive uma realidade paralela a do Brasil.
    Como bem disse Armandinho, quem faz o país é a gente!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s